segunda-feira, 6 de abril de 2015

Cinema: A Escolha Perfeita



Ficha Técnica:

Lançamento: 7 de dezembro de 2012 (1h53min)
Dirigido por: Jason Moore
Elenco principal: Anna Kendrick (Beca), Skylan Astin (Jesse), Anna Camp (Aubrey), Brittany Snow (Chloe), Rebel Wilson (Fat Amy)
Gênero: Comédia, Comédia Musical
Nacionalidade: EUA

O The Barden Bellas é um grupo de música a cappella formado por garotas que dão muito valor ao visual, ou seja, só tem meninas bonitas, magras e, obviamente, com uma bela voz. Porém, depois de uma apresentação desastrosa numa competição de final de ano, as líderes do grupo decidem mudar um pouco esse estilo, e é quando Beca é convidada para participar. Ela não tem interesse nenhum na faculdade e só quer focar na sua carreira de DJ, mas acaba penetrando nesse mundinho de mesmice das Bellas e terá um papel importante em todas as competições.

Esse é o famoso filme em que Anna Kendrick faz o Cup Song, galera. Nem eu sabia disso, mas eu e minha irmã estávamos procurando um filme pra assistir no Netflix e ela me contou, então demos uma chance. Não sou muito de filmes musicais, mas confesso que adorei a escolha! Obviamente há varias músicas, mas além de a maioria ser conhecida (David Guetta e Bruno Mars, por exemplo), não tem aquela coisa de dois minutos de filme, e uma música, mais dois minutos e mais uma música, então não cansa e dá vontade de sair dançando! Tem uma história legal, embora um pouco "ultrapassada"
 (essa coisa de competição e romance, que já foi abordada centenas de vezes no cinema), e com atrizes maravilhosas, incluindo até a Elizabeth Banks, que faz o papel de comentarista da competição. 

Uma coisa que achei amazing quando estava procurando informações sobre o filme é que vai ter uma continuação ainda esse ano! Pois é: em agosto, mês do meu aniversário (<3), estreará nos cinemas A Escolha Perfeita 2, dessa vez dirigido pela Banks, minha eterna Effie Trinket. Estou louca pra ver (mesmo tendo uma série de filmes que estrearão no cinema antes, aia ai, essa lista só aumenta). Já tem o trailer, que eu vou deixar aqui embaixo pra vocês, e acho que vai ficar incrível. Se eu tiver conseguido colocar a foto direito, aqui do lado vai estar o pôster que divulgaram do filme :3




Aqui está o trailer do filme:



E o trailer do segundo filme:



Bom, é isso. Espero que tenham gostado da indicação! Sigam o Instagram do blog (@ressacanerd) para estarem sempre por dentro dos posts novos, sigam o blog pelo Google porque isso ajuda PRA CARAMBA e quem quiser me seguir no instagram (@duarthvader) ou no Skoob, pode também porque eu vou ficar bem feliz :D Beijos e até mais :*

Uma coisa que achei amazing quando estava procurando informações sobre o filme é que vai ter uma continuação ainda esse ano! Pois é: em agosto, mês do meu aniversário (<3), estreará nos cinemas A Escolha Perfeita 2, dessa vez dirigido pela Banks, minha eterna Effie Trinket. Estou louca pra ver (mesmo tendo uma série de filmes que estrearão no cinema antes, aia ai, essa lista só aumenta).

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Resenha: A Menina Mais Fria de Coldtown


Título: A Menina Mais Fria de Coldtown

Autora: Holly Black


Editora: Novo Conceito


Páginas: 384


Estrelas: 5 estrelas


No mundo atual de Tana, o vampirismo faz, de certa forma, parte do dia-a-dia dos seres humanos. Antigamente era apenas um mito, mas que se provou verdade quando um vampiro louco saiu mordendo as pessoas e fez com que a "doença" se propagasse a um nível alarmante. Assim, o governo dos EUA criou as Coldtowns, pequenas cidades rodeadas por enormes muros onde se trancam os vampiros e infectados. Há também humanos que querem entrar em Coldtowns para se tornarem vampiros, e estes podem entrar nas cidades, mas ninguém pode sair de lá. Quem é infectado, tem que ficar 88 dias sem ingerir uma única gota de sangue, pois se isso acontece, a pessoa Resfriada (como chamam as pessoas que são infectadas) morre e retorna como vampiro. O governo insiste para que todos mandem os infectados para as Coldtowns pois eles se tornam violentos e tão sedentos de sangue que caem num poço de loucura, mas ainda há quem prefira curar a infecção de parentes ou até de si próprio em casa, trancando-se em algum lugar sem poder escapar e tentando controlar a sede. 
Tana é do tipo que aproveita o momento, e vive com seu pai e a irmã mais nova, Pearl. A mãe, ficou Resfriada quando Tana ainda era uma criança, e infelizmente a tentativa de cura em casa não deu certo. Um dia, após uma festa
, a adolescente acorda na banheira da casa do anfitrião e encontra todos os convidados mortos. São apenas cadáveres por todos os lados, pois alguém cometeu a fatalidade de deixar uma janela aberta, permitindo que vampiros entrassem e atacassem todo mundo. As únicas pessoas vivas além de Tana são Aidan, seu ex namorado que está amarrado e foi infectado, e Gavriel, que também está acorrentado aos pés da cama e talvez não esteja tão vivo assim. Agora, os três precisam fugir da casa onde ainda repousam os vampiros que cometeram o massacre na casa de fazenda e descobrir o que fazer a seguir. Além disso, Tana quer saber mais sobre o passado de Gavriel, sobre seus segredos e sobre como lidar com o fato de que sente uma certa atração por um vampiro rebelde que conheceu no meio do assassinato de vários colegas da escola.

Sim, FINALMENTE saiu resenha desse livro, que foi citado no Book Haul de Janeiro. Esse é um ponto que quero falar com vocês, por sinal: infelizmente, não vou fazer post de Book Haul + Leituras do Mês agora em março, porque esse mês foi tão, literalmente, pobre, que vai ficar sem graça e, dependendo da situação de abril (espero que melhore), talvez eu comente sobre os livros que li nesse mês lá nas Leituras de Abril mesmo. ENFIM, vamos voltar para AMMFDC.

Desde que eu vi a capa desse livro, me apaixonei, Sério, eu amo demais essa capa e, na verdade, toda a diagramação do livro está maravilhosa, com letras de bom tamanho, começos de capítulos com frases (coisa que eu adoro), "manchas de sangue" nas páginas (queria poder tirar fotos pra vocês ):) e páginas amareladas! Agora, não me julguem nem me achem tãão estranha pelo comentário que vou fazer, porque é provável que vocês me entendam também; esse livro tem um cheiro muito bom :p

No começo, eu fiquei meio receosa porque acho que a sinopse não explica direito como são as Coldtowns e tal (espero ter conseguido explicar direito pra vocês, haha), mas quis ler mesmo assim porque vampiros são um bom tema, mas nunca foram muito bem explorados (eu acho). Eu prefiro o estilo mais sangrento, pra ser sincera. Mas amei a forma como a Holly Black foi criativa com essa história e conseguiu inovar num assunto que pode muito facilmente sucumbir para o clichê. Foi o primeiro livro que li dela e já quero mais! Se eu não me engano, A Menina Mais Fria de Coldtown é o primeiro de uma série, e eu espero que seja verdade pois o final do livro foi arrebatador. E, gente, o melhor personagem é o Gavriel, aquele lindo *brinks*. Melhor vampiro!

Tá, vou parar de falar porque, se deixar, esse post (e qualquer outro aqui do blog) fica imenso, e não quero que vocês enjoem de mim. Agora, se preparem para o discursinho de sempre: vocês podem ajudar MUITO o crescimento do blog se seguirem ele, não custa nada, e você só precisa clicar no botão "Participe deste site". Quem tem instagram, pode seguir o blog por lá também (@ressacanerd). Eu sei que abandonei um pouquinho o instagram, mas quero voltar com tudo. Nessa semana, abandonei um pouco até o blog, tanto que não teve o tradicional post de segunda-feira sobre filmes e peço desculpas, mas além da falta de inspiração ainda tinham probleminhas aqui e ali e enfim, nada interessante. Quem quiser também pode me acompanhar no Skoob para saber o que estou lendo, o que já li e os livros desejados. Espero que tenham gostado da resenha até a próxima :*

sábado, 28 de março de 2015

TAG: Princesas da Disney!

Olá, galera! Hoje trago pra vocês mais uma tag literária daquelas que eu adoro responder. Quem me indicou foi o blog Na Sua Estante e quem criou foi a Melina Souza (fiz um post falando sobre o blog dela) juntamente com a Luly Trigo (resenha do livro dela aqui), e vocês podem conferir o vídeo super fofo delas clicando aqui! São oito categorias onde temos que falar um livro para cada princesa, seguindo um critério criado pela Mel e pela Luly. Enfim, vocês vão entender melhor quando eu começar a responder, né? Vamos lá:

Branca de neve - Um livro com a capa branca:

Ai gente, na primeira pergunta eu já vou trapacear! Não tenho nenhum livro com a capa toda branca (salvo minha coleção de Harry Potter, mas eu já vou citar ele em outra categoria e não quero repetir), então vou falar A Garota que Você Deixou pra Trás, da Jojo Moyes. Não vou me estender muito falando dele porque já foi resenhado aqui no blog, mas adorei a leitura e dei quatro estrelas!

Bela (A Bela e a Fera) - Um livro que você já leu mais de uma vez:

Não costumo reler livros, como vocês já sabem, porque tenho tantos livros que ainda não li que prefiro me concentrar neles do que nas releituras, mas em uns tempos de "seca" do ano retrasado, peguei pra reler A Culpa é das Estrelas, que esta na lista dos meus favoritos, com certeza <3 Enfim, sempre que cair essa pergunta, provavelmente sempre responderei com ACEDE, lidem com isso.

Aurora - um livro que você tentou ler várias vezes, mas acabou dormindo:

Bom, pra não responder O Guia do Mochileiro das Galáxias, vou mudar um pouco: quando eu comprei A Cabana, do William P. Young, eu não sabia que era completamente sobre Deus, Jesus e, enfim, religião. Claro que eu não gostei, porque não sou religiosa e tal, então abandonei logo a leitura, e na verdade não tentei ler várias vezes, então talvez eu tenha trapaceado nessa resposta também. Foi mal, gente!

Jasmine - um livro com um bicho de estimação muito querido:

Ainda estou guardando Harry Potter pra outra categoria, acalmem-se. Nessa aqui, vou citar Coração de Tinta, porque eu amo demais o Gwin, a marta do personagem Dedo Empoeirado! Sei lá, simplesmente me apaixonei por ela e se ele tivesse filhinhos... eu ia adorar cuidar de algum haha. Sou do tipo que se apega não só às pessoas, mas aos animais literários também, e podem rir mesmo! Pra quem tiver interesse, já resenhei toda a trilogia Mundo de Tinta no blog (livro 1, livro 2, livro 3)!

Ariel - um livro ou autor que você coleciona:
Tá, finalmente chegamos na categoria em que eu respondo: Harry Potter! Não é bem uma coleção ainda, mas pretendo ter todo e qualquer livro relacionado a Harry Potter. Já tenho os sete livros (minha edição é a capa branca, mas não vou comprar as outras edições porque também não sou rica), a Biblioteca de Hogwarts, dois colares, um caderno,marcadores e por enquanto é só isso porque eu não tenho dinheiro mesmo, mas espero que aumente em breve, porque J.K Rowling é autora de se colecionar sim!

Elsa - um livro que se passa no inverno:

Como eu sou uma pessoa muito clichê, previsível e em graça nas tags (lidem com isso²), vou responder o único que vei na minha cabeça assim como a Ana do Na Sua Estante: Deixe a Neve Cair. Sim, ele veio na cabeça de todos vocês que eu sei. O único livro que se passa inteiramente no inverno que eu tenho (bom, pelo menos é o que eu lembro de ter). Podem me xingar nos comentários que eu não me importo porque amo os contos desse livro (meu preferido é O Expresso Jubileu, pros curiosos).

Rapunzel - um livro longo (em número de páginas ou que a história é muito arrastada):

O livro mais longo que tenho na estante em número de páginas é A Ordem da Fênix, mas não quero responder ele. Então, vou citar A Menina Mais Fria de Coldtown, que eu amei, mas foi meio arrastado em algumas partes. Tem 384 páginas (nem é tão longo assim, na verdade), e eu super recomendo porque não atrapalha em nada a leitura. Só respondi ele pra mudar um pouquinho mesmo (ponto pra minha criatividade e pra criatividade da Holly Black, que criou o universo de vampiros aí).

Cinderela - um livro ou série que se perdeu no meio do caminho:

Eu não sei direito o que responder nessa categoria. Felizmente, nunca li um livro que tenha acontecido isso, e se li eu não me lembro. Então, vou meio que "deixar essa questão em branco". Confiram a resposta da Ana e da Bia pra saberem em que livros isso acontece, já que eu não sei o que dizer, mesmo :p

E essa foi a tag Princesas da Disney! Espero que tenham gostado das minhas respostas e se divertido lendo. Não vou taggear ninguém, mas sintam-se à vontade pra responder e deixar o link dos blogs nos comentários pra que eu possa conferir as respostas de vocês. Não esqueçam de seguir o blog pelo Google, no botão que vocês sabem bem qual é (já que eu faço o mesmo discurso em todo final de post), de seguir o instagram oficial do blog (@ressacanerd) e o meu, se tiverem interesse (@lubsduart), e de darem uma conferida no meu Skoob pra saberem minha lista de livros desejados, lidos, etc. Beijos e até mais :*

segunda-feira, 23 de março de 2015

Cinema: 12 Horas

Ficha Técnica:
Lançamento: 13 de abril de 2012 (1h34min)
Dirigido por: Heitor Dhalia (brasileiro!)
Elenco principal: Amanda Seyfried (Jill Parrish), Daniel Sunjata (Powers), Jennifer Carpenter (Sharon Ames), Sebastian Stan (Billy).
Gênero: Suspense, Drama
Nacionalidade: EUA

Jill Parrish já havia sido sequestrada uma vez, mas ninguém nunca acreditou nela por falta de provas. Agora, dois anos depois, ela mora com a irmã e é extremamente neurótica em relação a segurança das duas. Um dia, após voltar do trabalho, sua irmã não está em casa e Jill encontra provas estranhas de que ela foi sequestrada também. Sem a confiança da polícia local, que acha que ela está delirando, a própria Jill começa uma busca por sua irmã e por provas de que o sequestrador existe e está à solta por aí.

O título original é "Gone", e eu deixaria esse filme passar em branco se não fosse a mami ter pdido pra ler a sinopse. Além de ter uma premissa super legal, o filme é ótimo também! Eu achei super envolvente, e o final não é nem u pouco previsível mas ainda sim deixou um pouco a desejar, na minha opinião. Não é o melhor suspense que eu já
 vi também, mas vale a pena, sem falar que não é muito longo então não cansa. Achei super legal o fato de o diretor, Heitor Dhalia, ser brasileiro! Não fazia a menor ideia, e nunca vi outros trabalhos dele (se alguém quiser recomendar, deixa aí nos comentários!).

Eu acho a atuação da 
Amanda Seyfried maravilhosa. Além de 12 Horas, vi também Querido John, filme inspirado no livro do Nicholas Sparks onde ela interpreta a personagem Savanna Lynn Curtis, e, obviamente assisti também Meninas Malvadas, onde interpreta Karen Smith. Acho que, entre o elenco principal, conheço apenas ela e o ator Sebastian Stan, por causa do papel de Chapeleiro Maluco (Jefferson) na série de TV Once Upon A Time amoooo <3.

Bom, não sei mais o que falar :p Foi uma experi~encia bem legal, é um bom filme e eu recomendo pra quem não quer um suspense pesado mas com um pouco de ação (sim, sou uma pessoa direta). O trailer:



Não esqueçam de seguir o blog pelo Google aí ao lado, no botão "Participe deste site", de seguir o instagram oficial (@ressacanerd) e, quem quiser, pode me seguir e acompanhar no Skoob! Beijos e até mais :*

quinta-feira, 19 de março de 2015

Novidades sobre a adaptação cinematográfica de Cidades de Papel!


Sim, esse quadro estava morto e enterrado, mas óbvio que eu não ia deixar porque gosto dele então, pra ressuscitar o Tá Dando O Que Falar, trago hoje um assunto que estou louca pra discutir com vocês: sobre o filme de Cidades de Papel! Eu tinha feito um post nesse tópico quando anunciaram a data de lançamento, mas agora estamos beem mais perto e já foi divulgado um pôster, fotos oficiais e, o mais importante: UM TRAILER! Já vi várias vezes seguidas e em todas eu me arrepiei da cabeça aos pés. Vamos falar um pouco sobre os atores?

Desde o começo eu amei o Nat Wolff como Quentin Jacobsen, mas quando anunciaram que Margo Roth Spiegelman seria interpretada pela Cara Delevingne eu fiquei meio desapontada, porque não imaginava a Margo assim. Sei lá, no começo não atendeu às minhas expectativas. Porém, quando divulgaram o primeiro pôster oficial (que vocês devem estar vendo ao lado), eu já consegui visualizar

ela fazendo as vinganças do livro e me alegrei um pouco com a escolha da atriz. Agora, com o trailer, devo dizer que adorei ver ela sendo a Margo! Eu adoro essa personagem, então ia ficar triste se não fosse uma boa atriz para interpretá-la, mas acho que a Cara está fazendo um trabalho incrível e tenho grandes expectativas pra que essa adaptação seja tão boa quanto A Culpa É Das Estrelas foi. Tenho certeza que será muito fiel, porque todas as cenas do trailer tem no livro. A única coisa que me deixou bem chateada foi a notícia de que não irão filmar a cena da "invasão ao Sea World", que eu adorava, mas não será feita por causa do recente documentário que mostra os maus-tratos que as orcas em cativeiro sofrem no parque. Entenda um pouco melhor lendo esse post do Cabine Literária. Essa parte foi super legal de ler, mas eu entendo os diretores e fico muito triste ao saber desse tipo de coisa, já que na maior parte do tempo amo animais (e livros) mais do que pessoas, se é que vocês me entendem :p Enfim, estou aqui admirando esse pôster mesmo depois de ver que muita gente achou sem graça, mas que eu adorei. Sei que muita gente também não curtiu muito o livro, mas eu achei uma história muito original e li bem rápido, já que me apeguei aos personagens e amo a escrita do John Green (posso até dizer que foi o meu livro preferido depois de A Culpa É Das Estrelas). Vou resenhar em breve pra não perder o climax hahaha.

Bom, vamos, finalmente, ao trailer! Eu descobri que havia legendado após uma página postar, então já pesquei no Youtube e vocês podem ficar tão ansiosos quanto eu a partir de agora! Uma das minhas partes favoritas do trailer, por sinal, é quando ela fala sobre as cidades e pessoas de papel e que de perto é tudo mais feio. "Não você" <3


Também foram divulgadas nesta quarta-feira (18), pelo jornal "USA Today", como eu disse lá no começo do post, fotos oficiais lindas demais do Q e da Margo, e meu Deus, eles são tão shippáveis *-* Muito amor, e eu vou deixar todas elas aqui embaixo pra vocês verem e ficar com ânsia-de-vômito-arco-íris, assim como eu. Sério, porque todos os filmes bons vão ser lançados no final do ano? É muita injustiça com nós, fãs! Veja nesse link algumas coisas que John Green disse em entrevista ao USA Today!

Uma das fotos que eu mais gostei, porque o começo da vingança é uma das melhores partes <3






E então, o que acharam? Gostaram? Tenho certeza que sim. Deixem aí nos comentários toda a empolgação que garanto que estão sentindo assim como eu, não esqueçam de seguir o blog pelo Google no botãozinho aí ao lado onde está escrito "Participe deste site" porque isso ajuda MUUITO, sigam o insta oficial do blog (@ressacanerd) e quem quiser dar uma olhadinha no meu Skoob, sinta-se à vontade! Beijos e até mais :*
"Você irá para as Cidades de Papel e nunca mais voltará."

segunda-feira, 16 de março de 2015

Cinema: Cyberbully (Bullying Virtual)

"Palavras podem ferir"

Ficha Técnica:

Lançamento: 17 de julho de 2011
Dirigido por: Charles Binamé
Elenco principal: Emily Osment (Taylor Hillridge), Kay Panabaker (Samantha Caldone), Meaghan Rath (Cheyenne Mortenson), Kelly Rowan (Kris Hillridge)
Gênero: Drama, drama adolescente
Nacionalidade: Canadá

No aniversário de 17 anos, Taylor finalmente ganha o próprio notebook, e assim não tem mais que usar um computador na cozinha para que sua mãe possa saber o que está acontecendo. Sem supervisão, ela cria um perfil numa rede social e lá passa a sofrer cyberbullying (quando pessoas usam a internet para postar conteúdo com intenção de humilhar publicamente outra pessoa, mandar comentários pejorativos ou escrever discursos de ódio). Com as humilhações que sofre diariamente na internet, amigos e conhecidos da escola e de qualquer outro lugar do "mundo real" passam a rejeitá-la e ela tentará o possível para fazer com que isso não a impeça de continuar a viver normalmente.

Esse filme é uma excelente lição moral pra quem ainda tem uma cabeça pequena o suficiente pra se sentir bem xingando pessoas pela internet, um ferramenta que pode se tornar uma arma na mão dessas pessoas. Não sendo obrigada a mostrar o rosto ou mesmo a se identificar, ainda há por aí praticantes de cyberbullying que são culpados por causar depressão e até levar as vítimas ao suicídio. Por isso resolvi recomendar esse filme hoje pra vocês, porque aborda de uma maneira simples essa questão e me deixou emocionada e com um sentimento de compaixão pela personagem de Emily Osment (sim, a Lily de Hannah Montana), que é vítima do tipo de pessoa que citei acima. 

Não é o tipo de filme que eu assistiria normalmente quando estou de bobeira no Netflix, mas me interessei principalmente porque não vi Emily Osment nenhuma vez depois de O Resgate do Papai, um filme da Disney que foi ao ar em 2009. Eu adoro ela e amava sua personagem em Hannah Montana (um dos meus seriados preferidos da Disney na época), e como Cyberbully era o filme de destaque da semana (se não me engano), dei play e me emocionei enquanto assistia. Recomendo pra todo mundo que já sofreu algum tipo de bullying e pra quem teve a alegria de não passar por isso. Até que me surpreendi com o final e fiquei irritadíssima com a descoberta (que obviamente eu não posso falar porque estragaria o filme). Enfim, talvez seja uma escolha que incomode quem não gosta muito de drama, mas se você não tem problemas com isso, assista!

Trailer:


Bom, quem já assistiu, deixe sua opinião nos comentários, e quem não assistiu, não perca mais tempo. Não esqueçam de seguir o Instagram do blog (@ressacanerd) e de seguir o blog pelo Google clicando no botãozinho "Participe deste site" na barra lateral porque isso ajuda MUUITO, e pra quem quiser acessar meu perfil no Skoob é só clicar aqui. Espero que tenham gostado do post. Beijos e até mais :*

PS. Esse é um pedido para quem tem Blogger: alguém aí sabe controlar a letra usada nas postagens? Não sei se vocês já repararam, mas meus posts sempre ficam com a letra diferente. 
Em tudo que escrevo uso a letra Georgia (essa aqui que vocês estão lendo), mas quando vou visualizar a maioria dos posts é como se a letra estivesse em negrito e eu não coloco negrito mas também não sei como arrumar. Se alguém puder me ajudar aí nos comentários, eu vou ficar muito grata :p

quarta-feira, 11 de março de 2015

Resenha: A garota que você deixou pra trás


Título: A garota que você deixou pra trás

Autora: Jojo Moyes


Editora: Intrínseca


Páginas: 384


Estrelas: 4 estrelas



No período da Primeira Guerra Mundial, Sophie Lefèvre, uma jovem francesa apaixonada, é obrigada a se separar do marido Édouard, que foi convocado para lutar no front. Sozinha em Paris, Sophie volta para a casa na sua cidade natal, St. Péronne, para rever a irmã e os sobrinhos e ajudar na administração do hotel das duas, o Le Coq Rouge, onde atualmente é a casa da família e só funciona como restaurante. Para amenizar a saudade que tem do marido, ela está sempre admirando o retrato que Édouard pintou dela. Porém, com a cidadezinha sendo ocupada pelos alemães e um novo Kommandant, o Le Coq Rouge torna-se um restaurante oficial dos alemães depois de certa hesitação de Sophie, que acaba aceitando na esperança de conseguir roubar comida para alimentar a família. E quanto mais o tempo passa, mas aterrorizada fica a jovem apaixonada que teme pelo marido, e passa a arriscar tudo na esperança de encontrá-lo novamente.
-
Agora, quase um século depois, o retrato de Sophie Lefèvre (denominado A Garota Que Você Deixou Pra Trás) está pendurado na parede da casa de Liv Halston. Liv é uma mulher na casa dos trinta anos de idade que sofre a perda do marido, David Halston, um famoso arquiteto que planejou a casa onde ela vive, que tem paredes de vidro, e por isso chamam-na de Casa de Vidro. Ao longo dos anos, Liv criou uma espécie de vínculo com o quadro d'A garota, presente de lua de mel. Ela está sempre entediada até que conhece Paul Mccafferty, o primeiro homem que desperta algum tipo de sentimento em Liv desde a morte do marido. Porém, sua vida vira de cabeça pra baixo quando os descendentes da família Lefèvre reivindicam a posse do quadro, e Liv é processada. Já passando por problemas financeiros, ela vai fazer de tudo para provar que o quadro não foi roubado, e terá que aceitar a ideia de que Paul, que trabalha numa empresa de restituição de obras roubadas durante guerras, é quem está encarregado de devolver a obra de Édouard para a família Lefèvre.

Tá, agora a resenha finalmente acabou e já sou eu dando minha opinião! Bom, é um livro complicado de se resenhar, mas acho que consegui de maneira satisfatória, considerando que nunca tinha resenhado nenhum tipo de livro que tem essa história paralela entre passado e futuro. Não foi a minha leitura mais rápida, mas a culpa não é do livro. Falei um pouco sobre ele no Book Haul de Janeiro, inclusive, e agora finalmente estou resenhando pra vocês (já perceberam que sou meio enrolada, né?). O único outro livro que tentei ler relacionado à guerra foi Ele Está de Volta, do Timur Vermes, só que esse era sobre Segunda Guerra, e por ser uma comédia, eu não gostei já que não conheço muito o tema, então não captei "a essência do livro" e acabei dando pra minha irmã. Dei uma chance pr'A Garota Que Você Deixou Pra Trás mesmo assim e não me arrependi, pois não precisamos nos introduzir nos assuntos da guerra para entender a história, e isso é ótimo. Ainda nem falei, mas tem alguns capítulos narrados agora, pela Liv, e outros por Sophie, lá em 1915. Eu adorava a narração das duas, mas em alguns capítulos lá na metade do livro eu estava achando a Liv tão insuportável que ficava louca pra que Sophie voltasse. Esse foi o único motivo por ter tirado uma estrela, já que eu preciso gostar por completo do personagem principal para dar 5 estrelas à uma obra, mas não deixem de ler o livro por isso, porque dura pouco e talvez seja só eu que não gostei muito de algumas atitudes dela.

"Você é minha estrela guia neste mundo de loucura."
Foi o primeiro livro da Jojo Moyes que li e estou louca pra ler Como Eu Era Antes de Você, que todos dizem ser melhor que esse. Os dois seguem o mesmo estilo de capa e, ainda por cima, Como eu era antes de você terá adaptação cinematográfica estrelada por Sam Claflin! Mas já gostei bastante do livro, e me interessei por A Última Carta de Amor, também da Jojo Moyes, que também tem essa alternação entre passado e presente, e que todos dizem ser muito bom. Achei uma ótima leitura, descobri uma nova autora e estou bem feliz. Tive a ideia de ler esse livro não pela história nem nada (claro que depois li a sinopse e me interessei e tal) mas porque, na Turnê Intrínseca do ano passado, ganhei um marcador e um botton e não queria colocar em lugar nenhum até ler o livro hehehe :3

Enfim, é isso. Ficou um post mais longo do que eu esperava, mas acho que está legal e que eu não me repeti muito, e mais uma vez não tem fotos porque minha câmera está sem carregador e estou sofrendo :(. Não esqueça de seguir o blog pelo Google no botãozinho "Participe deste site" e de seguir o instagram oficial, @ressacanerd! Se quiser, pode me acompanhar no Skoob e no meu instagram pessoal. Beijos e até mais :*

segunda-feira, 9 de março de 2015

Cinema: Gatinhas e Gatões (Sixteen Candles)

Ficha Técnica:
Lançamento: 8 de julho de 1984 (1h33min)
Dirigido por: John Hughes
Elenco principal: Molly Ringwald (Samantha Baker), Anthony Michael Hall (Ted), Michael Schoeffling (Jake Ryan)
Gênero: Comédia, Romance
Nacionalidade: EUA

É o aniversário de 16 anos de Samantha Baker, ou apenas Sam. Ela quer que o dia seja perfeito, mas com a confusão dos preparativos do casamento de sua irmã mais velha, ninguém sequer lembra do grande dia. Sem falar em outros problemas: Sam também é apaixonada por Jake, um colega de aula já comprometido com outra garota que, aos olhos de Sam, é completamente perfeita. Para fechar com chave de ouro, ainda chega Ted, um calouro que começa a paquerá-la de um jeito bem desnecessário para impressionar os amigos nerds.

Primeiramente, só quero dizer o quanto odeio o título em português e o quanto acho essa tradução extremamente desnecessária. Agora, quero expressar meu amor pelos filmes do John Hughes <3 Sério, já disse pra vocês que amo esses filmes adolescentes dos anos 80 e 90, e esse cara incrivelmente talentoso faz os melhores! Mas enfim, hoje vamos falar especificamente sobre Sixteen Candles.

Adorei a história, a fotografia e simplesmente amo ver o que vestiam na época em que o filme foi gravado, mesmo não sendo muito ligada nessa coisa de moda :p Tem uma história super divertida e eu ria sozinha em casa, principalmente com o papel de Ted do Anthony Michael Hall, que era uma graça quando jovenzinho hahaha. O jeito como ele queria se enturmar a escola e não tinha "medo dos veteranos" me fez rir demais e mesmo querendo ficar com Sam, ele soube ser um bom amigo e teve um final bem legal no filme, que obviamente eu não vou contar porque vai estragar tudo. E a Sam é do tipo que se baseia no corpo das outras meninas, querendo ter mais "abundância", mas é cheia de personalidade e uma romântica incorrigível, que sonha com seu par perfeito (no caso, Jake).

Recomendo esse filme pra quem gosta desse tipo de "antiguidade" como eu e garanto que essa uma hora e meia vai ser bem aproveitada se for na companhia de Sam, Ted e Jake. 
Curiosidades (via Adorocinema):

  1. O ator Jim Carrey fez o teste para interpretar o personagem Ted.
  2. Molly Ringwald quase perdeu o papel principal para a atriz Ally Sheedy, que mais tarde protagoniza o filme Clube dos Cinco com ela.
  3. Este é o primeiro de três filmes que o diretor John Hughes e o ator Anthony Michael Hall trabalham juntos. O outros são O Clube dos Cinco e Mulher Nota 1000.
É isso, gente. Quem já tiver assistido ao filme, comenta aqui embaixo o que achou, e quem ainda não viu, deixe um comentário falando sobre o post e depois vá assistir! Não esqueça de seguir o blog pelo Google pelo botãozinho "Participe deste site", de seguir o Instagram oficial do blog (@ressacanerd) e, se quiser, dar uma olhadinha no meu Skoob (que precisa ser atualizado, por sinal)! Beijos e até mais :*

domingo, 8 de março de 2015

Book Haul e Leituras do Mês: Fevereiro


E aí, amizades! Nunca vi um mês passar tão rápido, meu Deus! Cada vez fico mais chocada com a rapidez do tempo. Esse foi um péssimo mês em relação às minhas leituras, não por qualidade e sim quantidade: apenas três livros?! Eu sei, eu sei, é uma vergonha pra mim, mas não ia deixar de fazer as Leituras do Mês por causa disso. E, pelo menos, nesse mês eu comprei alguma coisa o/ Pra matar a vontade, senão eu não ia aguentar essa vida. Agora, é o único livro que tenho, então vou tentar diminuir o ritmo e saborear cada página na esperança de terminar e já ter comprado outro. Enfim, Luiza, para de enrolar e mostra logo as coisas!

Bom, vamos começar com as compras desse mês, que foram duas: a do livro Magisterium: O Desafio de Ferro, escrito por ninguém mais que as divas Cassandra Clare e Holly Black! Vou ser bem sincera ao dizer que nunca tinha ouvido falar desse livro, mas estava na Saraiva quando achei, vi quem havia escrito e, depois de passar no leitor de preços umas 100 vezes pra ter certeza de que não estava cega, comprei: por incríveis R$7,00! Juro que fiquei louca, se eu não tivesse comprado, estaria me descabelando até agora. Tive muita sorte, pois era o Saraiva Day, e foi o único livro que realmente estava com um bom preço (eu acho, porque como eu já comentei, sou meio pão dura e acho tudo caro :P). Na Saraiva, o preço original era 39,90 e eu comprei no último dia do mês, então acho que era o destino. Agora, vamos a sinopse:
"AMIGOS E INIMIGOS. PERIGO E MAGIA. MORTE E VIDA. A maioria dos garotos faria qualquer coisa para passar no Desafio de Ferro. Callum Hunt não é um deles. Ele quer falhar. Se for aprovado no Desafio de Ferro e admitido no Magisterium, ele tem certeza de que isso só irá lhe trazer coisas ruins. Assim, ele se esforça ao máximo para fazer o seu pior… mas falha em seu plano de falhar. Agora, o Magisterium espera por ele, um lugar ao mesmo tempo incrível e sinistro, com laços sombrios que unem o passado de Call e um caminho tortuoso até o seu futuro. Magisterium – O Desafio de Ferro nasceu da extraordinária imaginação das autoras best-seller Holly Black e Cassandra Clare. Um mergulho alucinante em um universo mágico e inexplorado.
Olha essa premissa! Amei, e a nota do Skoob é de 4.5. Quero começar a ler agora mesmo! Tem 384 páginas e foi lançado em 2014 pela Editora Novo Conceito com o selo #irado. Adicione no Skoob! Depois, Fator Nerd - Contatos Imediatos de Primeiro Amor, escrito pelo Andy Robb e publicado pela editora Galera Record. Ganhei da minha mãe quando fomos na FNAC, e custou R$15,10: um preço super bom também. Outro livro que eu não conhecia a existência, mas assim que li o título e vi a capa foca e com verniz localizado (um detalhe importante que me atrai, só pra constar), tive que levar, até porque esse preço estava chamando meu nome. Como eu li esse, vou deixar pra falar mais detalhes sobre ele lá embaixo do post, e quem sabe numa resenha que eu farei no futuro. A nota no Skoob é de 3.7 e tem 303 páginas, publicado no em 2013. Adicione no Skoob!

Como eu disse, li apenas três livros nesse mês e foi um dos meses menos produtivo da minha vida, que eu lembre. A culpa não foi minha, na verdade: como comprei O Desafio de Ferro no último dia de Fevereiro, antes disso achei que não ia ter mais nada pra ler além dos três livros, então fui com calma. E quais foram essas leituras? Primeiro, li Silêncio, o terceiro livro da série Hush Hush, e depois Finale, o quarto, por Becca Fitzpatrick. Comecei a ler essa série antes de junho do ano passado, depois de ter comprado os dois primeiros livros no Submarino por R$8,00 cada, edição econômica. Li rápido, já que são curtos, e gostei bastante, e desde então procrastino a leitura dos dois últimos. Não faço ideia do motivo, mas simplesmente perdi um pouco da vontade. Alguns meses depois de ter lido os primeiros, meu dindo me deu Finale, e a vontade de comprar o terceiro e ler os dois aumentou. Então, depois de ganhar de aniversário um vale-presente da FNAC, comprei o terceiro. Acontece que meu aniversário foi em agosto e só fui ler agora por falta de opção: NÃO SEI PORQUE! Acho que Silêncio foi o meu favorito da série e eu adorei toda a história desenvolvida, já que gosto de histórias com esses temas sobrenaturais, mas não de terror. O livro não tomou o rumo que eu esperava e por isso fui surpreendida, e o final da série eu também amei, e também fiquei meio boquiaberta com algumas coisas do quarto livro. Ainda não fiz resenha de nenhum deles e acho que vou fazer uma espécie de especial falando sobre a série toda e o que eu achei dela, a minha experiência de leitura e etc. Não é a série da minha vida nem nada, mas são livros que valem a pena ler pela qualidade, experiência e pelo preço, claro, já que são bem baratos principalmente em sites online, não só em edição econômica como a normal; Sussurro e Crescendo, os dois primeiros, são em edição econômica, como eu já disse, e os outros dois são edição normal, mas tem algumas diferenças, mas eu vou avaliar tudinho no post especial :)

Além desses dois livros, li também Fator Nerd - Contatos Imediatos do 1° Amor, e postei uma foto no Instagram quando estava começando (minha ordem de leituras do mês, na verdade, foi Silêncio, depois Fator Nerd e depois Finale). Esse é um daqueles livros em que você fica falando vários "own" na cabeça enquanto lê, e dei boas risadas. Comecei a ler em uma tarde, na piscina, e li só 30 páginas, mas quando cheguei em casa já me empolguei e concluí o livro em menos de uma semana,  isso tentando me controlar pra ir com calma! É bem juvenil, puxando levemente pro YA, já que é narrado em primeira pessoa por um garoto de 14 chamado Archie, um nerd da cabeça aos pés viciado em Dungeons and Dragons e que fica com a cabeça virada do avesso após falar, pela primeira vez na vida, com uma garota da sua idade. Sarah é uma gótica super simpática e que nunca viu problema no fato de Archie ser um nerd, ao contrário de - bem, todo mundo. Até ela mergulha nesse mundo de RPG, e claro que o livro tem aquelas intrigas escolares estereotipadas, no caso desse, o fortão popular da escola também tem uma quedinha por Sarah e quer arranjar briga com Archie, faz bullying com ele e seus amigos, enfim. Mas foi uma leitura rápida e divertida que me fez ter um caso de amor e ódio com o final, e até agora não tenho uma opinião formada sobre ele. Um ponto que eu achei super criativo e a parte mais engraçada do livro é o MI, ou Monólogo Interior MUITO ALTO do Archie. Ele é tão irônico e maldoso que eu não conseguia entender como o Archie havia criado aquilo n cabeça dele (na verdade, com um padrasto como o Tony, talvez eu também tivesse criado esse mecanismo). Enfim, se você quer ler algo para descontrair e gargalhar um pouco, Fator Nerd é uma ótima opção.

É isso. Espero que tenham gostado do post. Espero que o mês de Março seja mais "cheio", porque não consigo viver um mês com apenas um livro! Estou prestes a começar O Desafio de Ferro e, de dez críticas, oito são boas, uma é mais ou menos e a outra é ruim. Estou com expectativas meio altas e espero não me decepcionar, e assim que eu terminar, pode deixar que eu venho falar um pouco mais aqui pra vocês, numa resenha e no próximo Book Haul! Se você não leu o post do Book Haul de Janeiro, clique aqui. Não esqueça de seguir o Instagram do blog, me seguir no Skoob e de seguir o blog pelo Google, porque isso ajuda MUUITO. Beijos e até mais :*

PS: em breve as fotos vão estar nesse post, mas por enquanto minha câmera está "bugada" então, pra não deixar esse Book Haul ainda mais atrasado, resolvi postar sem foto mesmo :(

terça-feira, 3 de março de 2015

Cinema: Hanna

Ficha técnica:

Lançamento: 10 de junho de 2011 (1h57min)
Dirigido por: Joe Wright
Elenco principal: Saoirse Ronan (Hanna), Eric Bana (Erik Heller), Cate Blanchett (Marissa Wiegler), Jessica Barden (Sophie)
Gênero: Suspense, Drama, Ação
Nacionalidade: EUA, Reino Unido, Alemanha

Hanna é uma adolescente solitária criada pelo pai, Erik, nos confins da "fria Finlândia". Treinada para ser uma assassina profissional, ela finalmente recebe uma missão de Erik (que é um ex-agente da CIA), e sai em busca do seu alvo por toda a Europa. Porém, quanto mais se aproxima do alvo, mais descobre segredos que deveriam permanecer escondidos, e passa a questionar sua humanidade e forma de agir.


Só eu lembrei (e MUITO) da Ellie, do jogo The Last Of Us?
Sim, acho que foi a "resenha de filme" mais curta que eu já fiz. Acontece que NÃO TEM mais o que dizer! Essa é a sinopse, e vocês vão ter que aceitar assim como o fato de que a Saoirse é uma grande diva, ainda mais com esse cabelo loiro-quase-branco! Gente, essa mulher... além de ser linda tem um talento incrível. E o filme todo é sensacional: o enredo, o desenvolvimento da história, as cenas de ação, e o final... Nossa, meu coração!
O elenco é ótimo, e amei o desenvolvimento de todos os atores, de principais à secundários. Nunca tinha assistido nada do Joe Wright mesmo o cara tendo um super histórico: Orgulho e Preconceito, Desejo e Reparação (baseado no livro Reparação, do autor Ian Mcewan) e Anna Karenina. Mesmo não tendo visto nenhum ( ai gente, desculpa!), sei que são muito bem vistos pela crítica, e talvez um dia eu resolva assistir e talvez postar minha opinião aqui no blog. Agora, vocês sabiam que Alfonso Cuarón, diretor de Harry Potter E O Prisioneiro de Azkaban, teve seu nome associado ao filme? Na época, 
chegaram a pensar que ele seria o diretor, mas logo depois Joe Wright assinou o contrato e acabou com os boatos. Não é possível dizer se eu fiquei feliz ou triste com a notícia :p

Trailer:


Bom gente, é isso. Sim, foi um post super curtinho, mas não tem muito o que contar sobre a história desse filme: só vendo mesmo pra entender. Eu assisti não muito tempo depois de assistir Um Olhar do Paraíso (post sobre esse filme aqui), porque era o único outro filme da Saoirse que tinha no Netflix (e também por causa da história, claro!) e super recomendo pra vocês. Eu, como amante de filmes de ação, fiquei vidrada. Enfim, assistam, comentem aqui a opinião de vocês, sigam o blog pelo Google porque isso ajuda MUITO, sem falar que é só clicar no botão aí ao lado onde está escrito "Participar deste site" e também sigam o Instagram do blog, @ressacanerd ! Beijos e até mais :*

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Resenha: A Música Que Mudou A Minha Vida


Título: A Música Que Mudou A Minha Vida

Autora: Robin Benway

Editora: Galera Record

Páginas: 368

Estrelas: 4 estrelas
Audrey tinha uma vida normal e adorava sua normalidade. Também tinha um namorado, o vocalista de uma banda local. Porém, quando decide terminar com Evan, toda a sua vida leva um rumo completamente diferente do que ela esperava. Depois de acabar com o relacionamento dos dois, ela promete uma última coisa: ir ao show da banda de Evan naquela noite. Tudo bem, não seria um problema ver as pessoas de sempre e ouvir o repertório de sempre... mas há uma música nova, e é sobre o término dos dois. Não seria grande coisa, já que é uma banda conhecida apenas na cidade, mas acaba virando um hit. Um hit mundialmente famoso que faz a vida de Audrey ser resumida a conseguir ir pra escola sem ser abordada por grupos de fanáticas ou trabalhar no Scooper Dooper (uma sorveteria do shopping) como se fosse apenas mais um dia 
normal. E ainda por cima, não podemos esquecer de um fato importante: a música retrata a versão de Evan do término, mas como fica o lado da Audrey? Ela não é a vilã, afinal, pois tinha seus motivos, mas terá que 
achar um jeito de mostrar isso pro resto dos milhões de fãs do ex.

Esse livro foi uma das minhas aquisições da Feira do Livro que teve ano passado, na minha cidade. Tinha uma cesta de livros da Galera Record, todos por 9,90 cada, mas só conhecia A Música Que Mudou A Minha Vida e Derby Girl (que já foi resenhado aqui no blog). Ouvi falar dessas duas obras literárias pela Pam, do Garota It (fiz um post indicando o blog/canal dela aqui), e fiquei tão feliz por ter encontrado por 9,90 que, obviamente, não resisti!

Li o livro em uns três dias, porque a escrita da Robin é tão fluída que eu nem vi as páginas passarem. Adorei os personagens, porque não temos o livro composto apenas pela Audrey e pelo Evan: há a melhor amiga da Audrey, Victoria; o namorado da Victoria, Jonah; e um dos personagens mais fofos, que trabalha também no Scooper Dooper, o James. Todos tem comportamentos típicos de adolescentes e o livro só fugiu um pouco da realidade em relação ao excesso de paparazzi atrás da Audrey, que ficou meio forçado, e por isso eu dei quatro estrelas. Quer dizer, também tem o fato dos palavrões que há durante o livro, mas eu não tenho muitos problemas pois é o modo como os adolescentes falam, mas somando isso ao fato dos paparazzi, tirei uma estrela. Só não deixem de ler o livro por isso, não é pra tanto!


Uma coisa que eu simplesmente adorei foi que, no começo de cada capítulo, tem um trecho de uma música, cuja tradução (que podemos ler nas notas de rodapé) tem a ver com o capítulo. Peguei muuitas recomendações musicais e ampliei a minha playlist de viagem, óbvio! Inclusive, a Audrey tem um ótimo gosto, pena que algumas das bandas que ela fala são fictícias :( A edição também está linda, com essa capa que eu me apaixonei, orelhas contendo um relato da Anna Julia Werneck, a musa do Los Hermanos (sim, ela inspirou a música! ô Anna Juliaaaaaa), e um tamanho de letra ótimo, até um pouco maior que o da maioria dos livros.
"Como os Beatles disseram, "O-bla-di, o-bla-da, a vida continua".
E continua mesmo.
Manda ver."
Enfim, é isso. Espero que tenham gostado da resenha. É o começo do cumprimento da minha dívida com vocês, de resenhar os livros que eu mencionei no Book Haul de Janeiro. Deixem um comentário com a opinião de vocês, que eu vou adorar ler, sigam o blog que é só clicar no botãozinho "Participe deste site" e siga também o instagram oficial do blog, @ressacanerd !

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Tag: Confissões de uma bibliófila


Hey, gente! Faz um tempo que não respondo tags, e eu adoro fazer isso (não sei porque sempre me enrolo pra postar esse tópico aqui no blog), então hoje eu trago pra vocês a provavelmente única tag “atual” que vou responder: Confissões de uma bibliófila! A tag foi criada pelo canal KarmaKayla (
vídeo) e o canal InesBooks traduziu, mas eu vi pelo canal da Mell Ferraz (vídeo) e depois pelo da Tatiana Feltrin (vídeo). Bom, vamos lá!

  1. Qual o gênero de literatura que você mantém longe? Autoajuda, com certeza. Nunca tentei ler, mas sei que não é um gênero compatível comigo então tenho certeza que não preciso nem tentar.
  2. Qual é o livro que você tem na estante e tem vergonha de não ter lido? Eu nunca acumulo leituras na estante, então vou dizer um livro que eu não tenho, que é qualquer obra do Tolkien. Uma das minhas metas desse ano é ler pelo menos O Hobbit, porque fala sério, que tipo de nerd/geek não leu Tolkien? Juro que até ruborizei.
  3. Qual o seu pior hábito enquanto lê? Eu sempre tive o péssimo "cacoete": morder os lábios. Mas isso piora quando estou lendo, porque eu fico mordendo os lábios loucamente, principalmente em cenas de ação, já que fico nervosa. Não consigo parar!
  4. Você costuma ler a sinopse antes de ler o livro (Essa pergunta foi inventada pela Tati, já que a original tratava-se de livros enviados antes de serem publicados e como nem ela e muito menos eu recebemos isso, a pergunta foi modificada)? Observo a capa, leio as orelhas, atrás do livro e só depois começo a ler. Não é algo que faço desde sempre, mas não muda a minha experiência, então... Sim.
  5. Qual o livro mais caro da sua estante? Não sei se já admiti isso aqui no blog, mas sou meio mão de vaca :p Não compro todos os meus livros, a maior parte eu ganhei, mas o livro mais caro foi A Marca de Atena, que eu estava louca pra ler e fiquei tão cega que paguei 39,90. Não é algo que eu vou repetir!
  6. Você compra livros usados/em sebo? Tecnicamente, sim. Não tenho problema nenhum, e antigamente, na minha época de Querido Diário Otário, eu comprava num sebo aqui do centro da cidade. Não vou tanto no centro porque é longe, e quando vou não dá tempo de passar no sebo, mas não vale muito a pena porque na internet é mais barato que lá :p
  7. Qual a sua livraria física preferida? Não dá pra dizer qualquer uma que não seja a Cultura. Tem preços absurdos, sim, mas é um ambiente tão mágico que eu não quero ir pra nenhum outro lugar daquele shopping. Pena que eu quase nunca vou porque fica longe da minha casa, mas um dia eu vou ter uma biblioteca daquele tamanho e com aquela ponte no meio!
  8. Qual a sua livraria online preferida? Mesmo não sendo só livraria, é o Submarino. Não tem nenhum site com promoções melhores (mesmo que eu não tenha achado muitos livros bons e baratos lá nos últimos tempos), é super confiável e as encomendas sempre chegam antes do prazo. Muito <3
  9. Você tem um orçamento (mensal) pra comprar livros? Não! Nem tenho um orçamento mensal, pra início de conversa :p Se eu tivesse um salário fixo talvez reservasse um pouco pra alimentar minha alma nerd, mas ainda não cheguei lá hehe.
  10. Quem você taggeia (eu gosto de escrever "taguear" com dois G, não me julgue)?Não taggeio ninguém, porque mesmo não sendo uma tag antiga tenho certeza que a maioria dos blogs e canais já responderam. Bom, é isso, gente! Espero que tenham gostado das minhas respostas, sintam-se a vontade para responder essa tag no blog de vocês, e deixem nos comentários o link que eu vou adorar ler! Não esqueçam de seguir o blog (é só clicar no botãozinho "Participe deste site", não vai doer, pode confiar) e de seguir o instagram do blog, @ressacanerd, ou o meu (hehe): @lubsduart ! Beijos e até mais :*

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Projeto: Filmes do Oscar 2015

Hey, unicórnios! Tudo bem? Antes de começar o post mesmo, quero convidar vocês a seguir o novo instagram oficial do blog@ressacanerd! Claro que a ideia era transformar o @1unicornioleitora, mas quando fui lá descobri que a conta foi hackeada :/ Claro que eu não ia deixar de ter o instagram do blog, então criei outro e preciso, claro, da ajuda de vocês pra mantê-lo! Já está ali na barra lateral pra vocês seguirem, não esqueçam de seguir!

Tá, vamos ao projeto. Como eu adoro criar listas de coisas pra fazer - mesmo muitas vezes não cumprindo seus itens - resolvi criar um tópico próprio para isso aqui no blog. Já transferi pra ele as coisas que quero ler e ver em 2015, inclusive. Bom, acho que o próprio nome desse projeto já diz que eu fiz uma lista com alguns dos filmes indicados ao Oscar 2015 para ver, já que eu nunca estive tão por fora de uma premiação: eu sabia as histórias e tinha visto os trailers, mas nenhum dos filmes indicados esse ano eu havia realmente assistido. Enfim, vamos acabar com a enrolação e conferir a minha lista!

Sniper Americano: primeiramente, Bradley Cooper. Esse nome já diz muita coisa, pelo menos pra mim. Nos cinemas da minha cidade esse filme está em cartaz, e acho que vou ver ainda essa semana. É uma adaptação cinematográfica do livro 
American Sniper: The Autobiography of the Most Lethal Sniper in U.S. Militar History, que eu não li e nem pretendo. O filme chamou muito minha atenção com a premissa de um atirador de elite da marinha americana e toda essa coisa de ter matado mais de cem pessoas. O trailer também me deixou sem fôlego, e o filme ganhou o Oscar de Melhor Edição de Som.
















A Teoria de Tudo: Mais um filme baseado em um livro, dessa vez na obra A Teoria de Tudo: A Extraordinária História de Jane e Stephen Hawking, escrito pela própria Jane Hawking. O filme mostra como o casal se conheceu, o desenvolvimento do relacionamento dos dois e o impacto da descoberta de Hawking sobre a ALS. Dessa vez pretendo ler o livro, mas é provável que acabe primeiro vendo o filme, embora eu quisesse o contrário, claro. Eddie Redmayne, que interpreta Stephen no filme, ganhou o Oscar de Melhor Ator, e eu achei super merecido! Infelizmente foi o único Oscar que o filme recebeu (mas foi grande!).

















Boyhood - Da Infância à Juventude: quando eu era menor, pensava que para fazer um filme onde aparece um personagem que cresce na tela, precisava esperar ele crescer para fazer as cenas em que é adulto. Claro que meu pai desmentiu essa história, mas agora aparece Boyhood: um filme que foi gravado com os mesmos atores, durante 12 anos, e eu me senti até meio nostálgica quando descobri! Achei uma ideia maravilhosa, e torcia pro filme ganhar nas categorias de Melhor Diretor e Melhor Filme, ms infelizmente não aconteceu. O filme levou apenas o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante, com Patricia Arquette. Merecido, claro, mas Boyhood merecia muito mais. Fala sobre a vida de um garoto com pais separados e como sua perspectiva sobre a vida com eles muda enquanto cresce.



O Jogo da Imitação: um filme que se passa na Segunda Guerra Mundial sempre chama minha atenção. Nesse, Alan Turing tem uma missão, que é desvendar o 
código que os alemães usavam para enviar mensagens aos submarinos. O trailer já me deixou tida arrepiada e a premissa é ótima, sem falar que conta com Keira Knightley e Benedict Cumberbatch. É uma adaptação do filme Alan Turing: The Enigma, e ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado. Além disso, Graham Moore, que recebeu o prêmio, ainda fez um discurso tocante e contou que tentou se suicidar aos 16 anos por não conseguir se encaixar em lugar algum. Quem também ficou com vontade de assistir?


O Grande Hotel Budapeste: a história é sobre o famoso gerente de um hotel europeu que se torna melhor amigo de um jovem empregado. Os dois vivem algumas aventuras juntos, como o roubo de um quadro, e isso é tudo o que sei sobre o filme. Porém, me parece interessante, e a fotografia é simplesmente maravilhosa. Ganhou quatro Oscars: Melhor Banda Original, Melhor Caracterização, Melhor Cenografia e Melhor Guarda-Roupa. Foi um dos queridinhos da noite, com certeza, e a maioria das críticas são positivas. Sem falar que eu fiquei impressionada com a maquiagem, principalmente com a da atriz Tilda Swinton, que interpretou uma senhora de 84 anos.


Selma: uma cinebiografia de Martin Luther King Jr, que mostra os protestos pacíficos realizados por ele em 1965, em busca de direitos eleitorais iguais para os afro-americanos. Ganhou o Oscar de Melhor Canção Original com Glory, do John Legend.


Bom, é isso, gente. Deve ter ficado um post quilométrico, mas compensa o fim de semana sem posts (viagem). Espero que tenham gostado, e comentem aí o que acharam do Oscar, se já assistiram aos filmes, não esqueçam de seguir o blog no botão "Participe deste site" e de seguir o instagram do blog! Beijos e até mais :*

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Eu Indico: Pilha de Cultura!

Há mais ou menos uma semana, me deu uma vontade louca de ver vídeos literários. Como já assisti todos os vídeos de todos os canais que sou inscrita, precisei ir em busca de um novo. Foi assim que cheguei no Pilha de Cultura (blog/canal)! Depois de rever o vídeo "5 canais literários para acompanhar em 2015", da Pam Gonçalves (post sobre ela aqui), cliquei no primeiro item da lista por gostar do nome e tal, e, como sempre, já me inscrevi e sim, já assisti todos os vídeos! Adorei o jeito extrovertido que a Roberta Vicente, a dona, tem de apresentar os vídeos, e foi assim desde o primeiro. É um canal super recente, começou no finalzinho de setembro de 2014, mas já está com mais de cinco mil inscritos e é muito merecido. 

Adorei saber depois de alguns vídeos que a Roberta também tem o blog Pilha de Cultura, que foi criado em 2013. Ela mesma confessou que tem se divertido tanto gravando vídeos que o canal está muito mais atualizado que o blog, mas que planeja mudar isso e deixar tudo equilibrado. Adorei o design do blog, e já li vários posts, que são muito bem escritos, por sinal. Agora, uma coisa que me deixou completamente encantada, foi saber que a Roberta nasceu e mora aqui no Rio Grande do Sul! Eu achei que nunca encontraria outra blogueira ou booktuber que mora no RS, e seria uma coisa muito fangirl dizer que criei expectativas em relação a conhecer a Roberta? Se for, não me importo, pois é verdade sim :)

Ah, não posso esquecer de citar duas coisas: 1. A Roberta é completamente apaixonada pelos livros da Carina Rissi, e eu fico triste cada vez que ouço falar dessa autora pois faz tempo que tô LOUCA pra ler os livros dessa mulher! e 2. Ela (a Roberta, não a Carina, não se confundam) tem a minha altura (acho até que é mais baixa que eu), e eu simplesmente queria falar isso pois achei engraçado e fofo ao mesmo tempo. Não é? Enfim, se você quiser saber um pouco mais, clique aqui.

Bom, como sempre, aqui estão dois vídeos que eu adorei (e ri muito!):




Peguei justamente os dois maiores videos do canal! Mas a maioria dos vídeos dela são curtos, e eu olhei todos bem rapidinho (dois dias, acreditam?) e ao todo há 25 vídeos no canal. Enfim, siga também o instagram, twitter e facebook! Beijos e até mais :)

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Resenha: Meus 15 Anos


Título: Meus 15 Anos

Autora: Luiza Trigo

Editora: Rocco Jovens Leitores
Páginas:
232

Estrelas 4 estrelas

Bia é a garota mais inteligente de sua classe, ou, como todos a chamam, nerd. Por causa desse título, ela não tem a popularidade que gostaria. Só que pretende reverter essa situação realizando um de seus sonhos: ter um festa de 15 anos de cinema! Além de já conseguir ser o assunto do dia após entregar os convites (o que não deixa Jéssica, sua inimiga e menina mais mimada do colégio nada feliz), Bia espera que sua paixão platônica conhecida como Thiago vá a festa. Tudo está programado para ser perfeito. E será que Bia conseguirá uma dança com Thiago?

Antes de resenhar todos os livros que prometi no book haul, resolvi publicar primeiro a resenha de Meus 15 anos, minha leitura de praia. Claro que eu devorei o livro, tendo só 232 páginas, e fiquei o resto da praia sem nada pra ler, mas não poderia ser diferente com essa fofura criada pela Luiza Trigo. Primeiro que me identifiquei completamente com a Bia, claro, sendo uma nerd como eu. Só pra constar: na minha opinião, nerd nunca será um "título" pejorativo, e eu sinto até orgulho de fazer parte desse time de pessoas, até porque se fosse diferente eu não teria dado ao meu blog o nome Ressaca Nerd. Bom, é o primeiro livro da Luiza, minha xará, que eu leio, e não me decepcionei. Dei 4 estrelas porque não podemos ignorar o fato de que vários núcleos da história tiveram o desfecho previsível, mas ainda assim super recomendo esse livro, por ser leve e engraçado, trazendo dilemas da transformação de menina para mulher que só festas de 15 anos mostram.


E não posso deixar de falar dessa capa! Além de ter essa ilustração maravilhosa que aparece tanto no início de cada capítulo quanto na capa, feita pela Irena Freitas, tem uma das coisas que eu mais amo nas capas, que é o verniz localizado. AMO sentir a ilustração. Imaginei os personagens bem desse jeitinho, que seguem exatamente a descrição do livro. Sem falar que é um desenho super fofo, né? O tamanho da letra também está ótimo, até maior do que a maioria dos livros que leio, e sei que a maioria das pessoas gosta de saber disso por causa de problemas de visão e etc.

Bom, foi uma resenha curtinha, mas espero que tenham gostado. O livro tem um preço super bom tanto nas livrarias físicas quanto nas onlines. Mais uma obra de autora brasileira, fico feliz em dizer, já que um dos meus planos para 2015 é ler mais livros de autores nacionais. Ah, mais uma coisa super legal desse livro: o nome de cada capítulo é, na verdade, o nome de um filme! Achei isso muito top (alguém ainda usa essa expressão?) e reconheci quase todos os títulos :3


Não esqueçam de deixar um comentário falando sua opinião, de seguir o blog e de indicar para os amigos! Se quiser, pode me seguir também no instagram e no skoob que eu não vou me importar, hehe. Até mais :*